O que é Neuroarquitetura?

Você já parou para pensar em como a decoração do ambiente pode afetar o nosso bem-estar? Como a iluminação e a disposição dos móveis podem estressar ou nos dar a sensação imediata de paz?

É isso mesmo: o ambiente pode influenciar o nosso comportamento, conforto e bem-estar.

O conceito de neuroarquitetura consiste em explicar como funciona a relação do nosso corpo e cérebro conforme a arquitetura dos ambientes e projeção dos espaços. Desta forma, podemos afirmar que a arquitetura se conecta a neurociência, estudando a forma como o ambiente ao nosso redor tem o poder de interferir na atividade cerebral e também, em nosso comportamento, além de influenciar em nossa saúde mental e física.

Aquele tik-tok do relógio, as cores mais escuras nas paredes, uma luz ou outra que arde nos olhos e até mesmo a sensação de que se está completamente isolado do mundo lá fora, sem saber se é um dia ensolarado ou um dia chuvoso. Passar muito tempo em um ambiente assim pode trazer riscos à sua saúde, causando estresse e queda de produtividade e até mesmo tirar o seu sono.

Neuroarquitetura

É nesse momento que a neuroarquitetura entra em ação! Com soluções práticas e eficazes de reorganizar o ambiente, tornando-o mais estimulante e agradável que podem influenciar no nosso bem-estar e conforto.

A neuroarquitetura também leva em consideração alguns fatores ambientais para que seja elaborado um projeto arquitetônico que gere conforto e preserve a saúde. Alguns deles são:

  • Temperatura;
  • Ventilação;
  • Luminosidade;
  • Acústica.

Aplicação da Neuroarquitetura

A neuroarquitetura pode – e deve – ser aplicada em diversos ambientes: corporativos, escolar, hospitalar e até mesmo dentro de casa.

É preciso levar em consideração fatores como a localização de janelas, ângulo das paredes, escolha de cores, altura do teto, incidência do sol e a disposição dos móveis. São muitos elementos que podem influenciar no nosso bem-estar, não é mesmo?

Os efeitos da neuroarquitetura, quando bem aplicada, são diversos. Melhorar a percepção e foco, estimular a criatividade e produtividade, melhorar a memória ou até mesmo, gerar novas experiências para as pessoas. Apenas a forma de dispor os objetos já pode proporcionar uma grande mudança no seu bem-estar.

Praticar a neuroarquitetura não é complicado: esse conceito surgiu para facilitar a sua vida. Pense nisso.

Compartilhe!

ARTIGOS RELACIONADOS